Deixando de ter medo do medo

Luis Cesar Pereira

Terapeuta Transpessoal

Nos últimos dias eu coloquei um olhar diferente sobre meus medos.

São medos conhecidos que me acompanham há muito tempo: medo de perder pessoas queridas, de mudar de emprego, de ser inconveniente, de ficar doente, de enlouquecer, de ficar só, e por aí vai.

Até aí tudo bem, sempre segui com minha vida e me acostumei a eles. Em muitos casos, eles sempre me protegeram… Pelo menos era o que eu achava até agora.

Só percebi que o medo estava emperrando minha vida quando entrei em contato com um deles:

O medo de morrer.

Não sei o motivo, mas comecei a ficar com verdadeiro pavor da morte.

Percebi isto quando fechei um pacote de férias imaginando tudo que podia dar errado: o avião cair, o hotel pegar fogo, eu e minha família sofrermos um acidente em um lugar distante sem hospital, … Só desgraceira! E haja sofrimento antecipado!

Foi então que tive a percepção que estava vivendo a morte em vidae tendo medo dela.

Ampliei isto para os outros medos: meu medo de perder alguém querido me angustia tanto que eu já morro de medo antes disto acontecer. O mesmo ocorre com o medo de engordar.

Veja a contrariedade: se eu fico magro, vivo com medo de engordar. Acabo não curtindo plenamente a magreza. Sempre fico com uma “pulga atrás da orelha” que não me deixa com paz de espírito. O medo não permite. Ele me sufoca demais.

É insano. O medo a que me refiro é a sensação que aparece antes de existir o fato real, ou seja, vivemos na imaginação, alimentando nossos medos.

Então percebi que temos, em geral, medo de ter medo, ou seja, medo do medo que tal coisa possa nos dar. Saímos do medo natural ou saudável e entramos no medo do medo. Aqui é que está o grande problema e a raiz das síndromes e pânicos em geral.

E você, tem medo de quê? Tanto medo de ter uma decepção amorosa que até hoje não encontrou o par ideal? E como sofre por isto, não é mesmo?

Temos tanto medo de sofrer que já sofremos por isto. E quando damos voz ativa a todos estes medos de uma só vez, eles se transformam em PÂNICO.

Minha dica da semana é:

1) Escolha 1 medo pequeno, não queira resolver a sua vida em uma só tacada.

2) Sinta-o agora, neste momento, e constate que ele já está provocando em você danos muito maiores no AGORA. Perceba se isto lhe protege ou apenas lhe incomoda.

3) Não julgue ou tente discutir com este medo. Apenas o observe e pergunte a ele do que ele protege. Verá que ele quer lhe proteger para que você não se machuque.

4) Verifique agora a extensão de danos (ou não) que este medo lhe causou. Só isto.

5) Para finalizar, pergunte-se: “exatamente agora, qual é o problema que me faz sentir medo? O que estou sentindo? Já sinto o medo que eu tanto tenho medo de sentir no futuro? Se sim, para que fugir ou postergar tal situação? Que sensação pior que esta eu poderia sentir?”

Perceba:

“já estou vivendo o medo do medo daquilo que ainda não aconteceu!”.

Talvez esta constatação lhe faça sentido suficiente para perceber que este medo é irreal, pois a única coisa real no presente momento é você fazendo uma simulação. Tudo é pura imaginação. O cenário é mental, o medo também é mental e imaginário.

Talvez perceba também que, se este medo sentido “no futuro” está sendo sentido no presente, então você já está pronto para resolver a situação agora, afinas de contas, se trouxe o futuro para o presente, não há o que esperar mais. Resolva, não postergue mais.

Talvez perceba que toda sua percepção sobre o medo mudou. Ou talvez não.

Só fazendo o exercício é que você saberá.

Não tenha medo de tentar. Ou melhor, tenha medo de tentar!

Caso precise de ajuda e queira mais ferramentas para limpar seus medos, estarei sempre à disposição para lhe auxiliar em meu Espaço Dinâmica do Ser!

Um grande beijo sem medo de ser feliz!