Farol do fim do mundo

Luis Cesar Pereira

Terapeuta Transpessoal

Há um tempo atrás, fui até o extremo sul da Patagônia e naveguei pelo Canal de Beagle, sem achar qualquer traço de cachorro por lá, até chegar ao farol do fim do mundo.

Estava em uma viagem de peregrinação em busca de algo mais… Qualquer coisa que me ajudasse a indicar o caminho da iluminação espiritual e da completude humana. Pouca coisa, hein?

Lá estava o farol com sua luz no topo. Ela estava apagada, pois eu fui lá durante o dia, mas não deixa de ter luz, mesmo que apagada.

Ei, espere ai! Luz apagada?

Querido amigo, você pensou o mesmo que eu? Claro que não, então me deixe explorar um pouco mais sobre isto.

Queremos tanto alcançar um estado superior, elevado ou algo que não sabemos ao certo o que é que nos perdemos dentro de nossa própria “luz”. Olhamos para a luz lá fora, procurando uma orientação, um norte, um destino.

Deixamos com que nosso farol interno, nosso senso, sentido, percepção, alma, fique apagado.

Mas o meu ensinamento está exatamente aqui e agora:

Mesmo apagado, continua sendo um guia, um farol, um orientador.

E só está apagado por estar iluminado aqui fora. Quando o dia se for, o farol se acenderá automaticamente.

Como sabemos que ele se acenderá?

Não interessa. Só fico com a “Fé” de que ele acenderá, assim como tenho “Fé” que, na minha próxima inspiração, terei ar para continuar respirando.

Isso mesmo, respirar também é um ato de fé.

Precisamos da escuridão de nossas sombras para que nossa luz apareça.

A escuridão é iluminada…

A lição é a de que podemos deixar a noite chegar para que a luz se faça aparecer. Nos permitirmos entrar em contato com nossas sombras, com a noite, com a lua, as estrelas… Entrar em contato com tudo o que não vemos para que passemos a ver.

Somente vivendo o escuro é que viveremos a iluminação.

Na prática, isso representa entrar em contato com nossas sombras, entendê-las, aceitá-las, ressignificá-las ou não, enfim, incorporá-las como parte natural do ser para viver a completude.

E você?

Vai esperar pelo anoitecer para contemplar a sua luz ou acenderá todas as luzes da sua casa à noite, com medo do escuro?

Um grande beijo no seu coração.