Penso que sou rico ou Sinto que sou próspero?

Minha filha de 11 anos me perguntou:

“Papai, como é que eu sei que eu estou crescendo e ficando mais forte?”

Antes de responder, perguntei a ela o que ela sentia. Ela me respondeu que se sentia mais forte e maior, mas queria ter “certeza” disto.

“Xi, minha filha já está contaminada”, pensei! Confesso ter ficado perplexo em ver uma criança validando a si próprio e ao mundo com base no pensamento lógico ao invés de no sentimento.

Ele sente que cresceu, sabe que cresceu, mas precisa achar argumentos lógicos e provas concretas para aceitar isto.

Bem, creio que isto veio de mim, então é melhor eu vestir logo a carapuça.

Nós precisamos de provas. Provas da existência de “algo mais”, provas de amor, provas de amizade, provas que estamos no caminho certo, provas de que tudo ficará bem no final… Provas, provas e mais provas.

Mas e o que sentimos?

Tenho certeza de que você se lembra daquela história que uma amiga te contou.

Lembra? Para que ela nunca mais sofresse por amor, ela jurou nunca se entregar totalmente a mais ninguém. E até hoje ela é a pessoa mais amarga de todas e jamais sofreu tanto, tudo por conta desta “lógica” gerada pelo pensamento e não pelo sentimento. O sentimento quer amar! O pensamento quer “não sofrer”. E o embate entre “amar” versus “não sofrer” é igual a “sofrimento”!

Para resolver isto, é preciso acreditar no sentimento e colocar o pensamento a favor do coração, ou seja:

Sentimento = “amar”

Pensamento = “Viver um amor” e “Eu sou autossuficiente. Eu resolvo qualquer situação, boa ou não!”.

O sentimento é poderoso! O que nós sentimos já é toda a “prova” de que precisamos. É a realização de tudo, de nossos sonhos, aspirações, medos, raivas, alegrias e tudo mais. Sentir é viver. Sentir é validar tudo que queremos validar.

Mas calma! Vamos com calma!

Para aqueles que estão pensando que eu virei anarquista e vou fazer tudo de forma inconsequente e não pensada, estão enganados. Estou pensando muito para escrever isto aqui. Pensar é bom, é saudável e é um sinal de evolução.

Mas agora eu uso um pensamento direcionado por um sentimento. Já fiz muito o contrário: Pensar e ditar meu sentimento com base em meu pensamento, ou seja, tudo o que eu pensar irá gerar um sentimento em mim.

O exercício proposto por mim esta semana é:

  • Pense em algo desagradável (mas leve, alguma pequena confusão, irritação ocorrida). Perceba o que você SENTE.

Perceba como o pensamento produz um sentimento ruim.

  • Pense em algo muito agradável (aqui eu deixo com você)

Perceba como um bom pensamento libera dopamina e outras substâncias químicas para o sistema nervoso produzindo uma sensação de BEM ESTAR.

  • Perceba os pensamentos durante um ato desagradável, (não faça intencionalmente o exercício. Durante um ato que não gostaria de estar passando, use-o como um exercício).

Perceba (apenas observe) os seus pensamentos. Note o quanto eles tendem a serem ruins, raivosos ou lhe levam ao mal humor. Apenas observe.

  • Perceba os pensamentos durante um ato agradável

Como o anterior, perceba os pensamentos. O quanto eles tendem a serem leves e tendem ao bom humor.

Experimente!

Pense que seu próximo projeto de vida poderá dar errado. Qual o sentimento que lhe vem?

Agora sinta que seu projeto está no caminho certo, já está dando certo. Sinta isto… Saiba e tenha certeza disto. E veja que tipo de pensamento você gera.

Entendeu minha lógica?

Pensamento gerando um sentimento versus sentimento gerando pensamentos.

O quê? Concorda comigo? Ah, não concorda?

Não importa o que você pense: você estará sempre certo.

Mas chega de pensar!

Eu quero parar de pensar. Quero apenas sentir o que eu sempre soube: que eu estou sempre no meu caminho. E ele é o certo.

E o seu caminho? É o mesmo que o meu?

Caso precise de ajuda e queira mais ferramentas para limpar seus medos, estarei sempre à disposição para lhe auxiliar em meu Espaço Dinâmica do Ser!

Um grande beijo no coração. Pense bem nisto… Ou melhor, sinta.