Tratando de nossa Alma

Enquanto ser humano, tratar a alma é um tema polêmico, pois vai bem de encontro aos vários tipos de crenças e valores que herdamos de nossos ancestrais, de nossa forma de ser e agir, incorporados em nossa composição humana.

Enquanto Alma, somos únicos em essência, em luz, com diversos níveis de evolução, de ancoragem e necessidade na busca por um bem maior, seguindo um processo de desdobramento da mais pura essência de Deus.

Partindo do pressuposto que somos compostos de energia, aceitamos nossa condição humana atrelada ao processo de evolução de nossa alma ou de algo desconhecido que vai além de nossa matéria.

Em nossa chegada ao planeta Terra, no momento de fecundação e nascimento, chamado pelos espiritualizados de encarne, trocamos nosso diário de bordo (assumido em outro plano por nossa alma) por duas cartas importantíssimas: a Carta da Família e a do Livre Arbítrio. Essas cartas farão parte de nossa vida, de nossas escolhas, do aprendizado, da oportunidade de evolução.

Carta da família à Herdamos desde o primeiro instante de nossa fecundação, da união de duas árvores genealógicas com DNAs diferentes, aspectos muito marcantes de nossos ancestrais, de nossos pais. Esses aspectos, sejam positivos ou não, fazem parte de uma herança familiar, norteando direta ou indiretamente nossa trajetória humana. É comum identificarmos em uma consulta terapêutica pessoas com bloqueios, traumas e falta de referência de valores humanos, por estarem presos na energia de seus pais (muitas vezes até sem conhecê-los), sendo vítimas do acaso.

Um exemplo são famílias que se vêem vítimas de determinada praga que se alastra por diversas gerações. Se a pessoa tomar ciência deste padrão negativo em seu campo de energia, crer como verdadeira esta repetição familiar, terá criado sua tela mental nos mesmos padrões de seus ancestrais; assim como seu bisavô, avô e pai.

Agora, se assumir seu comando de vôo, cortar essa forma e pensamento e mudar sua tela mental, sentindo-se bem, vivenciando condições totalmente diferentes, com certeza viverá como ser único em essência e comporá uma nova história em sua árvore genealógica.

Quando falo da importância de tomarmos frente de nossa vida, de nossas escolhas, precisamos sim exercer o livre arbítrio, por mais difícil, duvidoso, frágil e perigoso que seja o momento de escolha. Devemos nos voltar para nosso coração, para nossa alma, e assumirmos o desejo mais forte. Não temer nem desistir jamais, pois somos seres únicos e estamos aqui para viver e fazer o melhor, primeiramente por nossa alma e essência.

Ao longo de nosso processo evolutivo, acumulamos ainda bloqueios e barreiras, dúvidas, medos, temores que atuam diretamente no fluxo natural de nossa evolução, na composição de nossas telas mentais.

Se a escolha foi por um caminho e, num determinado momento perceber que não foi a melhor opção, volte, se acerte com o todo e faça por você a nova escolha. Seu tempo é único!

Carta do Livre arbítrio à Em minha concepção de vida, esta é sem dúvida a carta mais importante para nossa alma, pois enquanto ser humano optamos por fazer ou não nossas escolhas, ou permitir que o outro exerça ou não o comando dos caminhos que percorremos, anulando talvez nosso livre arbítrio, nossa evolução, o percurso natural de nossa alma.

É comum o ser humano, no momento de fragilidade, sentir-se sozinho e buscar uma dependência de outro, para que possa suprir, mesmo que momentaneamente, sua necessidade emocional, realizando assim seus sonhos e desejos. Vamos assim vivendo vários cenários, várias peças teatrais, deixando a opção de escolhas de nossos roteiros por outros.

Passamos então a acumular frustrações, dissabores, dúvidas e por muitas vezes deixamos de viver a imensa oportunidade que a vida nos concebe no processo natural de evolução humana e espiritual.

Cada vez mais, ficamos apegados à matéria, na constante busca humana do TER: poder, status, ambição, ganância, individualidade, entre outros aspectos, que nos acarreta sentimentos de angústia, mágoa, rejeição, frustração e perda. Não assumimos nossa identidade e passamos a duvidar de nossa existência, de nossos valores.

E a medida em que resgatamos a consciência e os próprios valores, passamos a interagir com aspectos positivos de nossa alma, “SER feliz em essência”. Sentimo-nos úteis, valorizados, independente de posição ou status social, autênticos com a nossa alma, cumprindo assim nossa missão.

Durante uma consulta de Radiestesia, seja presencial ou a distância, entramos no campo de energia da pessoa consultada e buscamos identificar todos os bloqueios ocasionados por energias vindas do ambiente externo e interno (nossa forma de ser, agir e se relacionar).

Buscamos trazer à tona aspectos que estão adormecidos ou enraizados no físico e na alma do ser, para que este tenha o entendimento, a aceitação e o desprendimento, perceba que é o único responsável por aceitar este processo de libertação e evolução.

A medida que realizamos o exercício de amor e perdão, de doação plena e ajuda ao próximo, sem pedir ou esperar nada em troca e, no momento exato em que nos identificamos como seres únicos e representantes de um mesmo Deus e essência, nos tornamos seres humanos mais felizes, verdadeiro canal de evolução no planeta.

Deixamos de desenvolver nossas habilidades humanas como processo competitivo, individual e mesquinho. Transformamos a energia de tudo e todos que estiverem em nossos caminhos, elevamos nossa auto-estima e cumprimos a missão de nossa alma, pois nunca nos sentiremos sós.

Não podemos esquecer de que somos seres viajantes nesse planeta em busca de um bem maior para a nossa alma, que sempre permanecerá viva.

Carlos Tonello

Terapeuta Holístico