Verdade x Realidade

Luis Cesar Pereira

Terapeuta Transpessoal

 

O que é real?

Se fosse em outros tempos, eu diria que o real é tudo o que vivemos. É o mundo, a vida, o dia a dia, o trabalho, enfim, tudo o que conhecemos por realidade.

Mas hoje, depois de tantos e tantos anos de aprofundamento terapêutico e autoconhecimento, eu sei que a realidade é completamente mutável e igual a física quântica: depende do observador.

Não, meu querido amigo quântico, eu não vou remeter a livros que falam sobre segredos, respostas e mistérios revelados.

Vou me ater apenas ao que eu sei. Eu e você vivemos no mesmo planeta, respiramos o mesmo ar, passeamos pelas mesmas ruas e, se existe um deus, ele (ou ela) é o mesmo para nós dois.

Mas eu e você vivemos realidades totalmente diferentes em mundos iguais.

E qual a verdade de tudo isto? A única verdade que eu encontro é que a realidade não é verdadeira: ela é mais uma imaginação de nossas mentes.

Certamente você e todo o resto do mundo já passaram por alguma situação semelhante com a que descrevo a seguir.

Você acorda numa manhã com um problema irreversível e insolúvel.

Pronto! Esta é a sua realidade.

Você está a mercê de algo terrível, é vítima, é escravo, é um atormentado pela situação. Está completamente impotente.

No outro dia, tudo muda. Sua realidade é outra. Você resolveu o problema e tudo se transformou.

Mas qual a verdade por trás disto tudo?

Nada mudou. A verdade sempre foi a mesma, nunca mudou.

Ela permanece, é imutável. É apenas verdade.

Então, meu amigo, nunca creia em sua realidade. Ela não é verdadeira.

Não acredita?

Ok, fique com sua realidade.

Mas vamos nos aprofundar só mais um pouquinho.

Tomemos um ente querido. Qual a realidade de seu comportamento?

Será que realmente o conhecemos? Passamos 20, 30 anos casados com alguém e imaginamos conhecê-lo (a) profundamente. Isso mesmo! Imaginamos conhecer o outro!

Não conhecemos o outro, só criamos uma fantasia mental que pode ser extremamente próxima da realidade, porém é apenas uma fantasia da nossa imaginação, está criada em um esquema mental dentro de nós.

Por esta razão é que o outro nunca nos decepciona. Nós é que criamos uma imagem errada a respeito dele dentro de nós e imaginamos algo que ele nunca, de fato, pode nos entregar. Com isto, criamos uma ilusão de um outro que não condiz com a realidade.

Com isto, este outro idealizado passa a não ser o que realmente é. Esta ilusão se sustenta até que a verdade apareça e este outro não faça o que ele prometeu fazer ou o que acharíamos que ele deveria fazer.

Perante isto, esta ilusão vai por água abaixo.

Resultado de quando a ilusão encontra a verdade?

Desilusão.

Meu ponto: Não foi o outro quem nos decepcionou e sim nós que nos decepcionamos diante de uma ilusão que nós mesmos criamos em nós a respeito deste outro.

Claro, talvez diante de mentiras ditas por parte deste outro, tenhamos nos convencidos de que ele faria tal ou tal coisa e depois não cumpriu com o prometido, mas toda a expectativa do que ele faria ou deixaria de fazer foi criado em nosso íntimo.

A desilusão é interna e não externa. Muitas vezes o outro, na melhor das intenções nos prometeu algo que tinha mesmo a pretensão de nos entregar e por algum motivo não conseguiu, mas de toda forma, a imagem formada dele fornecendo esta entrega para nós é feita por nós.

A decepção ou desilusão também será interna e não externa.

Esta percepção faz com que larguemos mais rapidamente a posição de vítima quando o outro nos deixa frustrado.

Faz sentido a você? Não?

Quer continuar sentindo que tudo foi culpa do outro? Que foi ele quem lhe magoou e lhe traiu ao invés de tomar para si a responsabilidade de que foi você que se decepcionou e tocar a vida adiante?

Tudo bem, você escolhe a sua realidade.

Lembre-se: em sua vida, tudo o que você disser que é verdade, você estará sempre certo!

De qualquer forma, se precisar, estou aqui, prontamente para atendê-lo em meu consultório ou simplesmente a sua espera para um delicioso café.

Beijos no coração.